Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Up

Siga-nos

Clarisse Abujamra

O talento pela arte vem do sangue, a atriz tem um tio ator. Mas antes de ir para a telinha, Clarisse Abujamra se apaixonou pela dança. E agora é diretora de teatro. Confira o mundo dessa talentosa atriz.

03/04/1947
continue lendo
Compartilhar

Balé moderno

Clarisse Abujamra

Na minha época, aqui no Brasil, estava começando o balé moderno. Eu comecei com uma tcheca, que tinha chegado dos Estados Unidos, trazendo uma técnica de dança contemporânea da Martha Graham.

Fascinada

Clarisse Abujamra

Fui coreografar para teatro e comecei a ficar fascinada pelo processo da interpretação e a própria técnica da Martha exigia uma compreensão de sub-texto e interpretação muito grandes. Então aquilo já estava sendo fomentado desde os meus 15 anos, mais ou menos.

 

Primeira atuação

Clarisse Abujamra

Um belo dia, na véspera da estreia, a atriz faltou. Só que a peça era inteira coreografada e eu era a única pessoa que sabia tudo. Então me falaram: "nem que você entre com o texto na mão, mas pelo amor de Deus, entra. Não dá para adiar". E eu entrei, P da vida, fiquei bravíssima. Só fui porque eu sabia das dificuldades enfrentadas por uma produção. Entrei e nunca mais saí. Depois de virar atriz também comecei a dirigir.

Casa de espetáculos em shoppings

Clarisse Abujamra

Estive conversando com o pessoal da Apetesp - Associação Paulista dos Produtores de Teatro de São Paulo - para ver se eles levantam um projeto com a finalidade de implantar uma casa de espetáculos em cada shopping da cidade. Assim, você enriquece o próprio shopping, bem como a vida cultural do público que o frequenta.

Visão

Clarisse Abujamra

Tenho tanto medo que aconteça alguma coisa com a minha visão! Tenho pensado em fazer uma cirurgia, mas outro dia me dei conta de que, se operar, não vou mais ter que usar óculos.

Atuando com óculos

Clarisse Abujamra

A única vez que subi num palco de óculos foi para um personagem muito engraçado, que era uma vaca de presépio. A Valderez de Barros fazia a dona do presépio e eu fazia a vaca. Pedi para o diretor se podia usar óculos porque num determinado momento do espetáculo o coral cantava e a vaca levantava e todos viam meu rosto.

fechar