Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Up

Pepeu Gomes

Um dos grandes expoentes da guitarra e da música brasileira, Pepeu Gomes conquistou notoriedade dentro e fora do Brasil, sendo mencionado em várias revistas especialistas em guitarra e recebendo convites para tocar em bandas de renome mundial.

07/02/1952
... continue lendo

Influência de Jimi Hendrix

Pepeu Gomes

Eu toco guitarra por causa do Jimi Hendrix. Tenho uma história muito ligada, porque eu era baixista dos 14 aos 17 anos, e o [Gilberto] Gil me viu tocando na televisão. Ele tinha sido expulso do Brasil e tinha que fazer um show de despedida. Ele foi na minha casa, porque eu era menor, e pediu autorização a meu pai para eu tocar, formar a banda para o show. No primeiro dia no bairro do Rio Vermelho, ele falou assim: 'Eu tenho um presente para você'. E aí pegou um disco do Jimi Hendrix, o 'Smash Hits'. Cara, eu pirei. Eu fui dormir baixista e acordei guitarrista, literalmente

Dificuldades para conseguir instrumentos na década de 70

Pepeu Gomes

Não tinha grana para comprar, mal tinha para comer. Toda hora a gente era preso, a ditadura estava aí. Eu fui preso, rasparam minha cabeça. Você acha que eu teria dinheiro para comprar instrumento? Não tinha. Então a gente começou a inventar. Nós ganhamos uma televisão em 1970 para ver a Copa do Mundo, a Copa do Pelé, e eu desmontei a televisão e tirei o transistor e fiz uma distorção. A TV ficou preto e branco (risos). E gravei o 'Acabou Chorare' com essa distorção. Foi uma época muito difícil, só veio melhorar mesmo quando o 'Acabou Chorare' saiu e vendeu 170 mil cópias em dois meses

Influência

Pepeu Gomes

A minha influência caiu por água abaixo quando eu ganhei um rádio de pilha e eu ficava dormindo com o rádio, e aí tocou 'Brasileirinho', de noite, eu já indo dormir. E comecei a tirar o 'Brasileirinho' na guitarra que era tocado no cavaquinho, em outra afinação. Foi aí que começou a grande transformação na minha carreira. A grande piração na minha cabeça foi essa. Foi começar a tocar 'Noites Cariocas' na guitarra que é outra coisa. Foi aí que aconteceu a minha metamorfose, porque eu descobri que poderia tocar aquilo na guitarra e comecei a aplicar em arranjos que eu fazia para as pessoas e aí surgiu os novos Baianos e levei essa fórmula

Rock in Rio

Pepeu Gomes

Considero o de 1985 o mais importante, foi ele que projetou minha carreira para o exterior. Passei por 90 países e a partir dali comecei a representar o Brasil com a guitarra brasileira. Tive vários bem interessantes, principalmente com Armandinho, quando fizemos o primeiro show totalmente instrumental dentro do Rock in Rio. Fico muito feliz por ser o único artista a marcar presença em todas as edições.

Direitos autorais, internet, download

Pepeu Gomes

É tudo moderno demais pra mim, ninguém sabe direito o que vai acontecer; é uma faca de 'dois legumes'. Ao mesmo tempo que todos os meus discos lançados em CD estão à venda no iTunes, e em qualquer lugar do mundo você comprar Pepeu Gomes; também podem piratear. Estamos todos procurando respostas para essa pergunta ao participar de simpósios, de debates. Ganhamos pelo lado do marketing e da divulgação 0800 (grátis) total, mas ao mesmo tempo ficamos muito expostos. Nossa obra está escancarada. No meu caso, já não tenho mais controle sobre a minha obra.

Biografias não autorizadas

Pepeu Gomes

Tenho restrições sim. Quando o artista já tem uma certa idade tem coisas que não gostaria que fossem citadas em uma biografia. É um direito conquistado com o tempo, pela bagagem que você tem e está deixando para as futuras gerações. Eu já tive muitos convites de gente querendo escrever minha biografia, inclusive supervisionadas por mim, mas não sei ainda se é a hora. Talvez só se for falando do meu lado bom. A galera acha que falar de podridão é uma coisa que vende, e não é. Falar de alegrias, de vitórias, de filhos, de um bom casamento, do processo de composição, o que te inspira a compor... essas coisas acho que dá uma ótima biografia, sem precisar contar o que aconteceu no 'quintal'. Sem falar que quando se escreve uma biografia parece que você está se aposentando. É como se o cara dissesse 'estou desacelerando, tô parando'; como se não fosse acontecer mais nada, e não é meu caso.

Maior saudade que os Novos Baianos deixou

Pepeu Gomes

Saudade é uma coisa que não existe, está na cabeça da gente, e meu pensamento está sempre na frente. Sou de aquário, então minha cabeça está sempre na frente. Acabei de receber um prêmio aqui no Hangar (Trajetória Musical) e já foi... já estou pensando no dia de amanhã. Mas os Novos Baianos deixaram um legado muito rico e importante dentro do cenário musical. Fomos pós-Tropicalista e tomamos a responsabilidade de segurar aquele estandarte que Caetano e Gil deixaram quando foram expulsos do país. Seguramos a onda por dez anos (1969-1979)!

O filme é muito natural...

Pepeu Gomes

Vi o filme, gostei bastante, inclusive fui convidado para representar os Novos Baianos em um festival de cinema na Alemanha. O filme é muito natural, aquilo tudo que se fala aconteceu, é uma verdade viva pois todos estão vivos. Mostra o lado sobrevivente da gente: nós nascemos em plena ditadura Militar e conseguimos vencer, chegamos vivos pós-ditadura. É um filme totalmente atual, não escondemos nada, todo mundo falou o que aconteceu. (Sobre o documentário Filhos de João – O Admirável Mundo Novo Baiano).

Convite para o Megadeth

Pepeu Gomes

Quando me convidaram para o Megadeth, mandaram um cara aqui. Aí o cara falou assim para mim: 'Você vai ganhar tanto por mês, escola para os seus filhos, você vai morar em Londres', porque lá era a base deles na época. E continuou: 'Só que é o seguinte, a gente faz de um a trinta shows por mês'. E eu falei: 'E o cachê é o mesmo?'. O representante disse: 'Você ganhará mensal, cerca de 25 mil dólares'. Então o mandei para a puta que o pariu. Virei as costas e fui embora. Foi assim mesmo. Depois me chamaram para o Living Colour, também do mesmo jeito. Não sei, vivem me chamando, estão apontando para o cara errado.

A música está mais sem graça hoje em dia?

Pepeu Gomes

A palavra não é sem graça, diria que é falta de criatividade mesmo. Quando comecei minha carreira, nós, no Novos Baianos, fazíamos música pensando em eternizar, em deixar para as futuras gerações músicas com acordes, poesia e boas letras. A música brasileira vai muito bem, sempre existiram os altos e baixos, ela nunca foi soberana. Hoje, no terceiro milênio, com a ascensão da abertura do exterior, principalmente da Europa, passamos a ser referência. O (produtor musical britânico) David Byrne até comentou isso. Tem muita coisa boa acontecendo e muita coisa ruim, e nas horas que aparecem as coisas ruins temos que lembrar que existe João Gilberto, Antônio Carlos Jobim, Canhoto, Valdir Azevedo, Jacob do Bandolim. Fazer essa peneira, para que a gente deixe o melhor às futuras gerações, é o que busco dentro do meu trabalho.

Interesse da nova geração

Pepeu Gomes

Isso é muito bacana, e a guitarra ajuda muito, é o símbolo do rock’n’roll, ritmo que traz renovação ao ser humano, e isso contribui muito para que meu trabalho atravesse gerações. A própria dose dos Novos Baianos que tem dentro do meu trabalho funciona assim: quando canto “Preta, Pretinha” é como tivesse sido feita hoje. Quando os filhos dos meus fãs me descobrem, me mostra que eu não estava tão errado.