Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Spotify Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Up

Siga-nos

Livros de Cláudio Manuel da Costa

Cláudio Manuel da Costa foi um advogado, minerador e poeta português do Brasil Colônia e destacou-se pela sua obra poética e por seu envolvimento da Inconfidência Mineira. Conheça mais sobre as obras desse grande poeta e pensador de mente aberta!

continue lendo
Compartilhar

Vila Rica

Glauceste Satúrnio - Cláudio Manuel da Costa

Ler livro

Vila rica é um poema épico escrito por Cláudio Manuel da Costa em 1773. Narra em versos a história da fundação de Minas Gerais, que se dá com a viagem de Antônio Albuquerque Coelho de Carvalho às Minas Gerais, no início do século XVIII, resolvendo o conflito da Guerra dos Emboabas. O poema possui dez cantos e usa versos decassílabos com rimas emparelhadas.

Poemas

Glauceste Satúrnio - Cláudio Manuel da Costa

Ler livro

O poeta gerou forte influência nas obras dos autores árcades Tomás Antônio Gonzaga e Inácio da Silva Alvarenga, considerado como precursor do Arcadismo brasileiro. Cláudio Manuel produziu poemas com temática pastoril, com estrutura perfeita de soneto, além de trazer reflexões sobre a vida, sobre a moral e sobre o amor, assim como no livro Poemas.

Obras Poéticas

Glauceste Satúrnio - Cláudio Manuel da Costa

Ler livro

Toda a sua criação literária de Cláudio Manuel da Costa está em Obras Poéticas, obra que reúne a produção lírica do poeta, sonetos, éclogas, epicédios, cantatas e outras modalidades e que dá início ao Arcadismo Brasileiro. Essa publicação marcou a fundação da Arcádia Ultramarina, uma instituição cultural onde os poetas se reuniam para escrever e declamar seus poemas.

 

O Parnaso Obsequioso e Obras Poéticas

Glauceste Satúrnio - Cláudio Manuel da Costa

Ler livro

O Parnaso Obsequioso, drama de Cláudio Manuel da Costa (1729-1789). O futuro inconfidente escreveu a peça Para Se Recitar em Música no dia 5 de dezembro de 1768, data do aniversário de D. José Luís de Meneses, Conde de Valadares, Governador e Capitão-General da Capitania de Minas Gerais. São interlocutores Apolo, Mercúrio, Calíope, Clio, Tália e Melpomene, representando a cena o Monte Parnaso. O Parnaso Obsequioso resulta num coro das musas e deuses Olímpicos em louvor do aniversariante, novo governador das Gerais. Seria de se estranhar o tom bajulador da pequena obra, se ele não fosse algo comum em todas as manifestações públicas da época. O mérito teatral é escasso, composto por um verso duro, precioso e eurocêntrico. O Parnaso Obsequioso é um drama circunstancial que se define pelas características da literatura e pelo teatro árcade.

fechar