Mensagens Com Amor Menu Search Close Angle Birthday Cake Asterisk Play PPS Book Download Heart Share Whatsapp Facebook Twitter Pinterest Instagram YouTube Up

Livros LGBT brasileiros

Muitas vezes, nós acabamos não valorizando a literatura nacional e até mesmo acreditando que nosso repertório não tem muita variedade. Mas é aí que estamos enganados! Você sabia que existem vários livros brasileiros que abordam a temática LGBT, por exemplo? Venha saber quais são eles agora mesmo!

... continue lendo

Livros LGBTs brasileiros

Ainda que escondidos, existem vários livros nacionais que contêm narrativas LGBTs. Encontramos passagens sobre homo e transexuais em livros muito antigos, como os de Gregório de Matos, apesar das escolas quererem esconder essa narrativa a sete chaves. Entretanto os livros com mensagens positivas sobre LGBTs só passaram a surgir no século XX, ainda que a ditadura militar os censurasse (como foi o caso de Cassandra Rios). Confira abaixo alguns livros totalmente verde-amarelos que também são das cores do arco-íris.

Leia também: Frases contra a homofobia

As Traças, de Cassandra Rios

Publicado pela primeira vez em 1975, em uma época onde a menção sobre lesbianidade era motivo de polêmica, o livro traz explicitamente o amor entre duas mulheres: Andreia e a sua professora Berenice. Aparecem outras personagens também lésbicas, mostrando toda uma comunidade, tratando de autodescobrimento não somente em relação à sua orientação sexual, mas também como mulher.

Julieta e Julieta, de Fátima Mesquita

Publicado em 1998, pela lendária editora GLS, “Julieta e Julieta” é o primeiro livro brasileiro a tratar de lésbicas de forma positiva, com um final feliz. São vários contos brasileiríssimos e gostosos de ler, todos com a temática do amor entre mulheres.

O Bom Crioulo, de Adolfo Caminha

“O Bom Crioulo”, apesar de apresentar várias problemáticas racistas (incluindo o próprio nome), é bastante pioneiro para a sua época. Foi lançado em 1895, apenas 7 anos após a assinatura da Lei Áurea, trazendo a narrativa homossexual e inter-racial – inclusive, críticos acreditam que foi o primeiro romance a trabalhar tão explicitamente a homossexualidade em toda América Latina. Conta a história de um ex-escravo foragido, Amaro, que se torna marinheiro e se apaixona por um grumete branco, chamado Aleixo.

Onde Andará Dulce Veiga?, de Caio F. Abreu

Caio F. Abreu é bastante conhecido atualmente: homossexual assumido e um dos melhores amigos de Clarice Lispector. Apesar de seu romance mais conhecido ser “Morangos Mofados”, o que mais apresenta a homossexualidade é “Onde Andará Dulce Veiga?”, lançado em 1990, sobre um jornalista frustrado e que se vê envolvido no mistério do desaparecimento de uma cantora famosa.

A Vila das Meninas, de Stella C. Ferraz

“A Vila das Meninas” é um simpático livro de Stella C. Ferraz, lançado nos anos 2000, pela editora Brasiliense. Traz a história de uma vila “escondida” no Jardim Paulista e habitado por mulheres que amam outras mulheres. A narrativa traz os problemas e as delícias de várias personagens lésbicas no seu cotidiano.

Amora, de Natalia Borges Polesso

“Amora”, lançado em 2015, é um livro de contos lésbicos. As histórias atravessam muitas perspectivas, mas se apegam menos ao escândalo e preconceito e mais no dia a dia de mulheres que, por um acaso, amam romanticamente outras mulheres. O olhar delicado e sensível da autora a rendeu o Prêmio Jabuti de 2016, a maior premiação literária do Brasil.

Meu nome é Amanda, de Mandy Candy

Lançado em 2016, “Meu Nome é Amanda” é uma autobiografia da YouTuber Mandy Candy. Ela é uma mulher transexual que, com o apoio da mãe, fez a sua cirurgia de redesignação sexual na Tailândia aos 19 anos. No livro, ela conta das suas dores e alegrias sobre viver em um país tão transfóbico.

Viagem solitária, de João W. Nery

O livro “Viagem Solitária”, apesar de recente (lançado em 2011), já se tornou um clássico. É um livro autobiográfico de João W. Ney, nascido como Joana, que realizou a cirurgia de redesignação sexual nos anos 70, em plena ditadura militar. João W. Nery é um grande nome no ativismo trans brasileiro.

As Rosas e a Revolução, de Karina Dias

Ambientado em 1968, “As Rosas e a Revolução” é escrito por Karina Dias e narra a história de amor entre duas mulheres durante da ditadura militar, sendo que a protagonista, Vilma Solano, é uma adolescente filha de um militar que contribuía com a tortura da época.

Poesia Gay Brasileira, organizado por Amanda Machado e Marina Moura

Essa recente e essencial antologia, organizada por Amanda Machado e Marina Moura, traz variados nomes importantes, como: Junqueira Freire, Mário Faustino, Drummond, Mário de Andrade, Lúcio Cardoso, Walmir Ayala, Caio Fernando Abreu e Antônio Cicero, Alessandra Safra, Angélica Freitas, Cassandra Rios, Hilda Hilst, Vange Leonel, dentre outros, todos versando sobre a temática LGBT no Brasil.