Blocos de Rua do Rio de Janeiro

O Carnaval vai além do desfiles das escolas de samba. No Rio de Janeiro, o carnaval de rua é muito agitado e procurado! Conheça os blocos de rua carioca e não perca tempo: vá conhecê-los!

Carnaval de Rua

O carnaval da Cidade Maravilhosa vai muito além dos lindos desfiles das escolas de samba. A partir das duas semanas anteriores ao carnaval, as ruas do Rio de Janeiro, são tomadas por um grande número de blocos e bandas que carregam milhares de foliões e fazem da cidade um grande baile popular sem cordas e aberto a quem quiser participar e se divertir muito. O carnaval de rua da cidade figura desde 2004 no Guinness book como o maior carnaval de rua do mundo, atraindo cerca de 2 milhões de foliões a cada dia. Pode confessar, você está morrendo de vontade de conhecer esse carnaval maravilhoso, né?

Concentra Mas não Sai

Um grupo de amigos resolveu, às vésperas do carnaval, fazer uma festa; aí foi aquela confusão; Festa! Oba! Que dia? Que horas? Aonde? O pai de um dos amigos do grupo, o Sr. Virgilio Leiro, com sua experiência de 80 carnavais sugeriu: Vão para o Farol da Barra, contratem uma banda, se concentrem, mas não saiam de lá! Assim, com este espírito, nasceu o Bloco “Concentra + Não Sai”. O bloco existe desde 2007 e desfila na véspera do carnaval, puxado por instrumento de sopro lembrando os velhos carnavais.

Meu Bem, Volto Já

Fevereiro de 1994, sábado de Carnaval. Jorge, Irene, Chico médico e o Dr. Zé Armando voltavam do cordão do Bola Preta para uma esticada no Bloco do Barbas. Lá encontram uma ala formada por integrantes dos Blocos "Suvaco", "Segunda", e "Simpatia" e o comentário geral era de que o Leme estaria precisando urgente de uma manifestação carnavalesca à altura de suas tradições sambísticas. Jorge, Irene, Chico e o Dr. Zé Armando voltaram para o Leme com a idéia fixa de organizar um bloco para sair no ano seguinte. O mais engraçado é a origem do nome: Dr. Zé Armando havia saído de casa no sábado, com a desculpa que iria comprar pão e jornal para a sua mulher, dizendo a ela: "Meu bem, volto já!", mas ele acabou voltando só na terça-feira... As cores do bloco são azul, amarelo e vermelho.

Bloco Virtual

O Bloco Virtual foi fundado em setembro de 2000 por um grupo de amigos que queriam divulgar o carnaval de rua do Rio de Janeiro e do Brasil na Internet. Organizaram uma festa de adesão em outubro daquele mesmo ano na boate Prelude, na Lagoa e lançaram o “Livro de L’atas” onde os simpatizantes registraram seus e-mails e trocavam informações. Os participantes interferiram na formatação do Bloco Virtual, sugerindo e escolhendo temas, cores, estandarte, músicas, coreografias, data de saída, itinerário, etc.
O bloco não ter cor específica, é multicolorido, e fica concentrado na Praça Almirante Júlio de Noronha, no Leme.

Bloco das Carmelitas

O Bloco das Carmelitas surgiu em 1990, no bairro Santa Teresa (mesmo bairro onde o bloco desfia) quando o grupo de amigos jogavam bola e tomavam cerveja. Por isso, quando foram nomear o bloco, pensaram logo em Santa Teresa. Mas vejam: não era uma associação de classe ou uma agremiação política; era um bloco. E bloco sem irreverência é melhor nem sair. Assim, um dos mais criativos entre os amigos falou que viu uma freira pular o muro do convento para brincar o carnaval, história que pareceu verossímil para todos em volta da mesa. Daí o nome Bloco das Carmelitas, no plural porque não se podia deixar a freira brincar o carnaval sozinha e ser rapidamente reconhecida. Por uma questão de solidariedade, todos aderiram ao veuzinho. O mito fundador também explica por que o bloco sai na sexta-feira antes do carnaval em um sentido e volta na terça-feira no sentido oposto: a irmã precisa voltar para o convento! As cores são verde, amarelo, vermelho e azul.

Bloco dos Barbas

O Bloco do Barbas foi fundado em 1985 para revitalizar o Carnaval da Zona Sul da cidade, principalmente o do bairro de Botafogo, muito famoso décadas atrás.
O bloco surgiu da ideia de amigos frequentadores do restaurante Barbas, que teve sede na Rua Álvaro Ramos e foi um dos bares mais tradicionais do Rio de Janeiro. Jornalistas, políticos e intelectuais que militavam politicamente na oposição ao regime militar instalado no Brasil formavam o grupo.
Com as cores vermelho e branco, o Barbas desfila pelas ruas de Botafogo sempre aos sábados de Carnaval e tem entre suas marcas um caminhão pipa acompanhando o percurso dando banho nos foliões e um carro-creche, uma Kombi com a caçamba aberta que leva a criançada.

Suvaco do Cristo

O Suvaco do Cristo nasceu na praia em 1985. A proposta era agitar, juntar uma porção de gente amiga e sair por aí, se divertindo pelo Rio. O mais curioso é que os amigos nem eram tão chegados ao samba, mas ao rock e viagens. Mesmo assim, ousaram fazer um bloco. De acordo com os integrantes do bloco, o nome teria sido inspirado em Tom Jobim, que dizia que em sua casa tudo mofava porque ele vivia no sovaco do Cristo. O bloco desfila no bairro do Jardim Botânico.